Posts Tagged ‘Preciosa

13
dez
10

Filme de Lee Daniels faz critica delicada e contundente ao racismo e à marginalidade de pobres e obesos nos EUA

Por Betânia Soares

 

Precisa não é o tipo de garota que se enquadraria nos padrões modernos de beleza e de sociabilidade. Uma adolescente negra, obesa, que vive no Harlem, bairro pobre de Nova Iorque, semianalfabeta e que está grávida, aos 16 anos, pela segunda vez. Seu maior problema, porém, está dentro de casa. Clareese Precious Jones (Gabourey Sidibe) vive sozinha com a mãe Mary (Mo’Nique), em um apartamento pequeno que é sustentado pelo auxílio desemprego pago pelo governo. Enquanto Preciosa faz todo o trabalho doméstico, sua mãe a maltrata com agressões físicas e morais. Além disso, sua filha de quatro anos e o bebê que está esperando são frutos do abuso sexual de seu pai Carl (Rodney Jackson).

Por causa da segunda gravidez e seus problemas de alfabetização, a professora Lichtenstein (Nealla Gordon) sugere que Preciosa vá para uma escola alternativa, “Cada um ensina um”, onde a forma de ensino se adequaria melhor as suas dificuldades de aprendizado e permitiria um contato com outras histórias difíceis como a dela. Nessa nova escola, Preciosa conhece Sra. Blu Rain, (Paula Patton), uma professora que ajuda a adolescente a por no papel todos os seus medos, problemas e sonhos antes guardados em segredo e que consumiam sua alegria. Contando sua história, Preciosa tem a chance de superar seus traumas e abrir um novo caminho para uma vida diferente. Outra personagem importante nesse processo é a assistente social Weiss (Mariah Carey).

 Preciosa – uma história de esperança não é só o relato triste de uma menina sem perspectiva. O filme é uma crítica delicada, porém cheia de autoridade, a problemas que existem na sociedade em que vivemos: racismo, desfalque emocional causado por experiências negativas intensas dentro e fora de casa e rejeição. Nesse caso, os problemas estão acontecendo nos Estados Unidos da América, mas adverte o público para problemas camuflados que estão perto de nós.

Por ser negra, obesa, pobre e mãe adolescente, Preciosa é posta a margem das relações sociais. Esse tipo de discriminação não está somente nas telas dos cinemas. Em fevereiro de 2010, nos EUA, um juiz se recusou a realizar o casamento de uma mulher negra com um homem branco. Sua justificativa foi a de estar defendendo os filhos que o casal possivelmente teria. Segundo ele, crianças frutos de relações interraciais sofrem com o preconceito tanto por parte da comunidade negra quanto por parte da branca. No estado de Louisiana, onde o caso aconteceu, está uma das maiores populações de negros dos EUA. Lá, a lei que proibia casamentos entre negros e brancos foi derrubada em 1967.

O filme, dirigido e produzido por Lee Daniels, é baseado no livro “Push” da escritora Sapphire. Filmado com a técnica “câmera na mão”, o espectador tem a sensação de fazer parte de todo esse drama, como se visse a história de dentro. O recurso só não é usado nos momentos em que a personagem principal está sonhando. Os sonhos de Preciosa vêm quando ela está em uma situação emocionalmente intensa. Uma válvula de escape quando é abusada pelo pai, apanha da mãe ou é agredida na rua. Não usar a “câmera na mão” torna esse momento algo particular e íntimo de Preciosa.

Gabourey Sidibe estréia nas telas com o pé direito. O papel em Preciosa – uma história de esperança lhe deu uma indicação ao Oscar de melhor atriz em 2009, concorrendo com grandes nomes como Sandra Bullock e Meryl Streep, e ao Globo de Ouro na categoria “Melhor Atriz em um Filme Dramático”.

 

Veja o trailer:

Anúncios
29
mar
10

Drama pesado, atuações brilhantes

Por Camila Bichuetti

Há algum tempo atrás, Gabourey Sibide, era apenas uma estudante de psicologia, nascida no Brooklyn e criada no Harlem. Foi incentivada por sua mãe e um amigo a fazer o teste para a protagonista do filme Preciosa – uma história de esperança. Até então, não havia participado de nada além que algumas peças na escola. Sibide concorreu com mais 500 garotas pelo papel principal do filme e acabou sendo escolhida dois dias depois de realizar o primeiro teste.

Em entrevista cedida ao site G1, ela conta que o diretor Lee Daniels perguntou como ficariam as aulas na faculdade caso ela fizesse o filme. Sem pensar muito Sibide respondeu: “Não é todo dia que alguém recebe uma oferta para participar de um filme, algo tem que ser sacrificado.” Muito provável que ela tenha conquistado o diretor e acabou sendo escolhida para o papel.

A novata surpreendeu e merece destaque. Logo em seu primeiro trabalho no cinema chegou a concorrer pelo Oscar, na categoria de melhor atriz com as veteranas Meryl Streep e Helen Mirren.

O filme é baseado no livro Push (1996), de Sapphire e traz temas como racismo, abuso sexual, incesto, pobreza, violência doméstica e AIDS para as telas. O resultado positivo é mérito do diretor Lee Daniels, que conseguiu trabalhar bem todos esses aspectos sem torná-los clichê e nem exagerar na dose.

Claireece Preciosa Jones é uma adolescente de 16 anos, negra, obesa, analfabeta, pobre, mal-tratada pela mãe e vítima de estrupos pelo seu pai. Grávida de seu segundo filho, a diretora de sua escola a força a mudar para uma escola “alternativa”, onde acaba conhecendo a professora Blu Rain, interpretada por Paula Patton, que a ajudará a aprender a ler e exteriorizar as suas emoções.

Com tantos problemas, Preciosa encontra refúgio em seus devaneios: ela se imagina uma estrela, passeando por festas, fazendo sessões fotográficas e com um namorado lindo. E é para esse mundo que ela foge quando que sair da sua realidade.

O filme Preciosa, contou com um ótimo elenco. Vale ressaltar, a participação de Mariah Carey sem nenhum glamour, na pela da assistente social e o enfermeiro, interpretado por Lenny Kravitz, que quase passam despercebidos no decorrer do filme, tamanho envolvimento na trama.

Mesmo lidando com temas tão pesados, o filme se trata de algo maior: a esperança. Preciosa, com o apoio da professora Rain, de suas novas amigas da escola “alternativa”, começa a ganhar auto-estima e coragem para encarar seus problemas de frente.

O filme recebeu atenção especial da apresentadora de TV, Oprah Winfrey, que ajudou na divulgação e acabou entrando na ficha técnica como produtora executiva.

Preciosa já acumula tem 44 prêmios e 58 indicações pelo mundo. A atuação de Mo’Nique, que interpreta a mãe de preciosa, recebeu grandes elogios e ganhou como Melhor Atriz Coadjuvante nas seguintes premiações: 82º Academy Awards, Oscar, 67º Globos de Ouro e 16º Screen Actors Guild Awards.

O filme também foi premiado como Melhor Roteiro Adaptado pelo Oscar e pela 82º Academy Awards.

No Spirits Award, premiação voltada para cinema independente, ainda ganhou como melhor filme, diretor e roteiro original, melhor atriz (Gabourey Sibide) e melhor atriz coadjuvante (Mo’Nique).

Preciosa, além de ótimo elenco, tem um enredo envolvente que é capaz de emocionar o telespectador. Eu recomendo.

Confira o trailer de Preciosa: