Archive for the 'salas de cinema' Category

20
jul
10

Tudo Pode dar Certo

Por Yumi Miyake

No dia 4 de maio 2010 publiquei aqui no blog o post “Cinema de rua é um charme, bixo”e falei sobre a lei sancionada em janeiro desse ano pelo prefeito Gilberto Kassab, que diz que estão isentas de pagamento de ISS (imposto Sobre Serviços) os cinemas de rua. Isso serviria como um estímulo para que os 10 cinemas de rua, entre os 260 que possuímos na capital continuem existindo. Porém, um dos cinemas de rua mais famosos da cidade pode estar com seus dias contados. O Cine Belas Artes,localizado na esquina das avenidas Consolação e Paulista, existe há 43 anos. A interrupção do patrocínio feito pelo banco HSBC faz com que corremos o risco de ver o Cine Belas Artes fechar as portas. Para chamar a atenção do fato e tentar deixar com que isso não aconteça, vários restaurantes paulistanos se juntaram na campanha “Tudo Pode dar Certo”. A atitude partiu da proprietária do La Casserole, Marie-France Henry, que reuniu 16 restaurantes paulistanos em prol da campanha. Até 5 de setembro, quem colaborar com R$ 5 em um dos restaurantes participantes ganha um ingresso para uma sessão de cinema, de segunda à quinta-feira. O convite é carimbado, que vira um vale sobremesa em qualquer um dos 17 restaurantes participantes.

Confira a lista de estabelecimentos participantes: http://patrocineocinemabelasartes.blogspot.com/

Anúncios
04
maio
10

cinema de rua é um charme, bicho

Por Yumi Miyake

Uma lei sancionada em janeiro desse ano pelo prefeito Gilberto Kassab diz que estão isentas de pagamento de ISS (Imposto Sobre Serviços) os cinemas de rua. Isso é um estímulo para que os 10 cinemas de rua dentre os 260 que possuímos na capital continuem existindo.

Com o surgimento dos shoppings, os cinemas migraram para dentro deles. O conforto é o maior ponto positivo, pois os shoppings possuem estacionamento e praça de alimentação.

Cinemark é a rede que hoje comanda os cinemas do Brasil e está presente na maioria dos shoppings de São Paulo. Em cartaz, filmes hollywoodianos, acompanhados de muita pipoca e refrigerante nas salas lotadas de gente. Porque então trocar isso por um cinema na região central, pequeno, com um público bem diferente do que você costuma ver -a maioria das vezes- nas salas de cinema do shopping (vulgo pai, mãe e 5 filhos esfomeados por pipoca e sedentos por Coca-Cola)? A resposta é simples: cinema de rua é um charme.

Vou explicar: primeiro (e o principal), os filmes em cartazes são, em sua maioria, do circuito alternativo. Não são MEGA produções, pois as MEGAS produções o público quer assistir em MEGAS salas 3D. E o cinema de rua não oferece isso. Cinema de rua oferece filmes de cineastas mexicanos, alemães, franceses. Americanos também… e etc. (Abaixo trailers dos filmes/documentários que você poderá conferir numa sala de cinema de rua).

Segundo: Cinemas de rua oferecem promoções e programações especiais bem interessantes. O Espaço Unibanco de Cinema (Rua Augusta, 1470) oferece 50% de desconto para correntistas do Unibanco.

Já o HSBC Belas Artes (Rua da Consolação, 2423) possui em sua programação o “noitão”, onde você paga R$ 18,00 (estudantes pagam meia-entrada) e eles disponibilizam 4 filmes (você assiste 3) que começam a partir da meia-noite. Ao final, você ainda toma café da manhã.

Quanto ao CineSesc (Rua Augusta 2075 – Cerqueira César), depois do Festival Melhores Filmes 2010 [post da semana passada] realizado em abril, o cinema mantém a exposição fotográfica 35mm em Relevo, trazendo imagens do cinema brasileiro, como “O beijo da mulher aranha”, “Terra Estrangeira”, “Pixote, a lei do mais fraco” para serem sentidas através do tato.

Cito também os cinemas: Cine Lumière na Rua Joaquim Floriano, 339 – Itaim Bibi, o Cine Bombril no conjunto nacional (Av. Paulista, 2073), o Cine Segall na Rua Berta, 111 – Vila Mariana e a Sala Uol, Rua Fradique Coutinho, 361- Pinheiros, como ótimas opções.

Terceiro: o público frequentador é bem diferente. São pessoas (repito: em sua maioria) realmente interessadas no filme. São membros da classe intelectual da cidade, que respiram cultura. Que assistem ‘ Das Weisse Band’ (A fita branca, que QUASE levou o Oscar de melhor filme estrangeiro) e vão comer e beber no boteco da Rua Augusta. Dão uma passadinha na loja de cds, dvds e vinis (porque ainda compram cds, dvds e vinis) e voltam pra casa de transporte público ou de bike, não por falta de grana ou por não ter um carro na caragem, mas porque carro polui o meio ambiente. Posso estar generalizando, mas é essa a impressão que tenho quando frequento os cinemas da nossa São Paulo. E isso me fez lembrar de um livro de crônicas que eu lia no colegial. A crônica “Bar ruim é lindo, bicho” de Antônio Prata, parece nos mostrar a autenticidade do bar, do cinema… a autenticidade de São Paulo.  “Nós, meio intelectuais, meio de esquerda, adoramos fazer parte dessa coisa Linda que é o Brasil, por isso vamos a bares ruins, que têm mais cara do Brasil que os bares bons…”

E se quiser saber mais sobre a cidade cinza (e colorida ao mesmo tempo) confira o blog dos colegas SÃOoutrosPAULOS.

FILMES/ DOCUMENTÁRIOS que você pode e DEVE assistir num cine de rua:

Utopia e Barbárie, documentário de Silvio Tendler

The US. vs. John Lennon

Mary and Max