19
set
10

Direção de George Clooney faz crítica ao governo Bush

Betânia Soares


George Clooney não é só um belo ator que arranca suspiros quando está nas telas. Se tratando de dramaturgia, sua carreira está firmada no sucesso. Depois de começar atuando na TV, George Clooney foi co-fundador da produtora Section Eight, junto com Steven Soderbergh, trabalhando com grandes produções. Como ator, ele concorreu e foi premiado pelo Oscar, Globo de Ouro, MTV Movie Awards e outros. E não é só atuando que Clooney é premiado. Suas experiências como diretor em dois filmes também foram reveladoras. Seu primeiro trabalho nessa função foi em “Confissões de uma mente perigosa” – Confession of a Dagnerous Mind (2002). Mas o filme “Boa noite, boa sorte” – Good night, good luck (2005) – é uma jóia que abrilhantou sua carreira.


Ambientado nos EUA dos anos 1950, “Boa noite, boa sorte” trata do conflito entre mídia e governo com relação ao momento político do pais diante da ameaça comunista. Edward R. Murrow, interpretado por David Strathairn, é âncora da rede de TV americana CBS e, junto com uma equipe de jornalistas e seu produtor Fred Friendly, vivido pelo próprio George Clooney, denuncia ao público a violação dos direitos civis por parte do governo americano na caça aos supostos comunistas nos EUA, como quando uma funcionária pública é levada a júri sem ter conhecimento das provas que a qualificavam como comunista ou seu acusador.

Nessa empreitada, Murrow se posiciona contra o senador Joseph McCarthy, que passa a acusá-lo na TV de filiação ao comunismo e deslealdade ao governo americano. Diante das acusações de abusos feitas por Murrow e sua equipe da CBS, o senador McCarthy é chamado perante o Senado e destituído de seu cargo. Mesmo que Edward Murrow tenha perdido seu programa, que passou a ser exibido em um horário não tão nobre quanto era, e posteriormente demitido, pois a emissora não queria comprar uma briga tão ferrenha contra o governo, ele foi um marco no jornalismo ousado e a serviço da verdade.


Indicado ao Oscar 2006 como melhor filme, melhor roteiro original, melhor direção de arte, melhor fotografia e melhor ator para David Strathairn, “Boa noite, boa sorte” não é um típico filme comercial de Hollywood. Talvez por isso seja uma oposição à industria cultural vã e vazia que, por diversas vezes, apresenta ao público entretenimento somente, sem conteúdo ou informação. Filmado em preto e branco, a película tem a cara dos filmes feitos no começo do século, com cortes incisivos de cenas e pouca trilha sonora, contextualizando a produção com o momento histórico em que se passam os acontecimentos. Ele também ganhou ares de documentário ao mesclar cenas dos arquivo da CBS do próprio senador Joseph McCarthy e algumas imagens de Edward R. Murrow. Além de David Strathairn e George Clooney, o elenco também conta com Patricia Clarkson, Robert Downey Jr., Jeff Daniels e Frank Langella.


O filme tem grande peso não só por causa das características estéticas adotadas por George Clooney, mas também devido à sua carga histórica, com dialogos intensos e sérios, discutindo a liberdade de expressão, a preservação dos direitos dos cidadãos e o dialogo claro entre governo e povo, passando pela mídia. Tais características fazem do filme de Clooney mais atual do que parece. O mesmo empenho da mídia em denunciar o governo americano da década de 1950 pode ser visto em nossos dias. A produção é uma critica ao governo abusivo de Bush, que abriu fogo contra o Iraque em uma guerra até hoje sem solução, sem que existissem provas claras que justificassem o conflito que criou tensão mundial e, depois de tantos anos, ainda não tem razão para existir. Foi por causa da mídia e através dela que pessoas de todo o mundo puderam ver a guerra começar e suas consequências, como soldados americanos e civis das nações atacadas perderem suas vidas. A mídia hoje, assim como tentava fazer Edward Murrow, dá voz aos que se posicionaram contra o conflito, levando o governo atual de Barack Obama a se movimentar na tentativa, enfim, por fim a uma guerra que se quer deveria ter começado.

George Clooney dirige seu segundo filme, mais um sucesso na carreira, repleto de conteúdo histórico e crítica política

 

Veja o trailer:

Anúncios

0 Responses to “Direção de George Clooney faz crítica ao governo Bush”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: