Arquivo de maio \31\UTC 2010

31
maio
10

Thriller político de Polanski

Por Camila Bichuetti

Polanski ganhou o Urso de Prata de melhor direção pelo filme “O Escritor Fantasma”, porém quem recebeu o prêmio foram os produtores Robert Benmussa e Alain Sarde. Roman Polanski está em prisão domiciliar em Zurique, na Suíça, devido a algumas acusações de estupro pendentes nos Estados Unidos. Mesmo sem a presença do diretor, a equipe compareceu em peso ao 60º Festival de Berlim. Estavam presentes os atores Olivia Williams, Pierce Brosnan e Ewan McGregor, o escritor inglês Robert Harris, Alexander Desplat (autor da trilha sonora) e os produtores já citados anteriormente.

 Um pouco do filme:

Ewan McGregor encarna o “escritor fantasma” de um ex-primeiro ministro britânico, Adam Lang, vivido por Pierce Brosnan, semi-exilado em uma ilha nos Estados Unidos. Lang é acusado de querer participar da guerra ao terror dos americanos. O personagem de McGregor assume a posição de um outro escritor, morto misteriosamente enquanto finalizava apurações sobre a vida do biografado.

Como sabemos Polanski é um homem que gosta de contar histórias. Em 2007, depois do cineasta e de Harris interromperem os planos para a adaptação de “Pompéia”, o escritor sugeriu um novo projeto. Roman aceitou a proposta de braços abertos. Era como se tivesse encontrado o seu novo “Chinatown”. Começava então o projeto de “O escritor fantasma”.

 O filme começou a ser gravado no início de 2009, de fevereiro a maio, e o diretor foi preso em Zurique em setembro. Ainda assim, ele não interrompeu seu projeto. Continuou trabalhando à distância através de relatórios de pós-produção e DVDs.

O diretor, assim como Hitchcock, faz questão de abusar da ironia, sendo esta um toque essencial para o desfecho do filme. Ainda o comparando a Hitchcock, ele leva o personagem principal por um caminho onde todo o ambiente e clima é fundamental para o desenrolar da narrativa.

 Coincidentemente, o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, esteve recentemente envolvido em um inquérito sobre a guerra ao terror dos americanos. Mas o escritor Harris, havia escrito tudo muito antes disso acontecer. “Parece que tudo conspirou a nosso favor”, ele comenta. “É quase como se tivessemos previsto o que está acontecendo na Inglaterra.”

Assista ao trailer do filme:

29
maio
10

Wood Allen volta a Nova York

Por Sara Rissato

Woody Allen pode ser reconhecido como o cineasta mais ousado e complexo do cinema atual. Quem gosta dos filmes dele já passou pela fase “blockbuster” do cinema, para um nível mais avançado de entendimento.

O que impressionada em Allen é a capacidade de construir narrativas completamente diferentes. Em sua filmografia podemos encontrar de tudo um pouco, do mais inusitado como crimes psicológicos, crimes, paixões a completa banalidade. Porém, não podemos negar a majestade com que o cineasta comanda suas produções transitando por todos esses tipos de filmes.

Quem conhece a obra de Allen sabe que seu novo filme “Tudo pode dar certo” (Whatever Works) é um tanto quanto especial, pois valida o retorno do cineasta a Manhattan, depois de uma longa fase de produções européias.

O centro da trama consiste em: Boris Yellnikoff (Larry David). Separado, suicida frustrado, quase Prêmio Nobel de Física e professor de xadrez para crianças, o homem de meia-idade nutre verdadeiro ódio pela humanidade.

O cético e pessimista divide suas horas entre conversar com amigos pelas ruas de Nova York, sempre disseminando suas teorias sobre o vazio e a ausência de significado da vida, e momentos de completa neurose, como visitas recorrentes a hospitais e os períodos que passa lavando a mão — que duram o tempo exato de cantar duas vezes “Parabéns a Você”.

Sua vida muda, no entanto, quando conhece Melodie (Evan Rachel Wood), uma jovem loira e boba do sul dos Estados Unidos. Em sua inocência, a garota admira a “genialidade” de Boris e logo se apaixona. Não tarda para que os dois se casem, o que gera uma série de encontros e desencontros envolvendo os pais da menina e amigos de Boris.

Um dos pontos positivos de “Tudo pode dar certo” é o fato de ser um típico filme de Woody Allen, já que Boris representa o homem moderno que vive no eterno paradoxo entre o terror, medo da morte, hipocrisia da sociedade de consumo e o excesso de informação. Conseguimos nos identificar com esse tipo de narrativa, justamente poque vivemos isso no nosso cotidiano. Como no filme, Nova York é a redoma de problemas, mas também a solução de todos. São Paulo e todas as outras megalópoles funcionam da mesma maneira. O charme de nossas ruas, as dores, obstáculos, insatisfações nos impulsionam a continuar. Enquanto Borges busca paz no caos da cidade, ficamos apreciando o derradeiro destino que nossas vidas se encaminham.

Veja o trailer!

28
maio
10

Hollywood versus Botox

Por Betânia Soares 

As mulheres mais lindas e invejaveis do mundo nascem em Hollywood desde sempre. Mulheres perfeitas, com corpos esculturais, seios fartos e que jamais envelhecem. Jamais envelhecem? Isso não é exatamente verdade. A verdade é que muitas dessas atrizes buscam retardar o envelhecimento e, para isso, recorrem ao bisturi das cirurgias plásticas. 

Um dos procedimentos mais utilizados por essas estrelas é a aplicação da Toxina Botulínica, mais conhecida por Botox. A substância ameniza as marcas de expressão porque impede que os músculos no local onde é aplicada se contraiam. O Botox, quando usado em doses moderadas, não causa danos à saúde. O problemas é que o exagero tem se tornado comum entre as famosas hollywoodanas, o que tem deixados os diretores e produtores de filmes um pouco nervosos. 

A aplicação exagerada do Botox impede que as atrizes tenham expressões faciais.  Na era do 3D e da alta tecnologia, essas mulheres se diferenciam muito do resto do elenco e, por causa da rigidez,  não conseguem demontrar sentimentos e sensações. Isso interfere diretamente no resultado da cena. Por motivos assim, os diretores têm preferido mulheres que não tenham intervenções cirúrgicas, tanto no que se refere ao Botox quanto às próteses de silicone. No próximo filme da série “Piratas do Caribe”, que ainda não tem nome comercial definido, a Disney exigiu que atrizes com seios de silicone não participem do elenco, pois são artificiais demais para um filme de época. 

A atriz Nicole Kidman está com o rosto muito diferente depois das aplicações de Botox

Esse é um problema que tem atingido as atrizes mais novas também. Linsay Lohan, atriz de vida agitada e cheia de polêmicas, aderiu ao visual paralisado.

Brittany Murphy, que morreu no ano passado por causa de um ataque cardíaco, ficou irreconhecível depois do procedimento.

O insentivo do momento é que as mulheres comecem a envelher naturalmente e com saúde para que não fiquem tão artificiais nas produções, já que o exagero na busca pela eterna juventude tem atingido mulheres cada vez mais jovens que deveriam se preocupar com isso daqui muitos anos.

 Algumas das famosas metem a respeito de suas plásticas. Mas sites como Awfulplasticsurgery.com mostram as principais personalidades que mudaram radicalmente depois de cirurgias desmedidas.

 

Veja também:

A garota que faz aplicações de Botox desde os 15 anos.

27
maio
10

Retração no mercado das videolocadoras

por Annelise Medeiros

Matéria realizada pelo grupo sobre as videolocadoras

26
maio
10

A moda no cinema

Natália Figueiredo

No início do mês que vem,  de 8 a 14 de junho, acontecerá mais uma versão do São Paulo Fashion Week, que trará a coleção de verão  dos estilistas e marcas mais prestigiados do país. Para entrar nesse clima fashion, o vamosfalardecinema apresenta uma série de filmes que tratam sobre o tema da moda. Para aqueles que querem conhecer mais sobre a história da moda, sobre seus principais personagens, sobre as peculiaridades desse mundo, ou apenas assistir  a obras onde seus protagonistas possuem um estilo de se vestir autêntico  e inspirador, vale a pena conferir algumas das sugestões abaixo:

  Yves Saint Laurant – O Tempo Redescoberto

 

O documentário é sobre a vida de uma dos mais influentes nomes da alta costura. Através de um longo depoimento, ele conta sua história desde momentos marcantes de sua infância até o caminho que o levou ao sucesso. 

  Coco Antes de Chanel

Coco Chanel, mais que uma personagem polêmica e misteriosa foi uma revolucionária. Para entender sua ousadia e toda a contribuição que esta teve para moda e para os costumes de uma época em que as mulheres eram vistas  apenas como bibelôs, Coco Antes de Chanel é uma ótima pedida.

  O Diabo veste Prada

O filme é um ótimo exemplo de como funciona o mundo da moda e das pessoas que por ela transitam. A história  é sobre de uma jornalista recém-formada que vai trabalhar na revista de moda mais importante do país. A partir daí, ela é obrigada a lidar com as dificuldades deste meio. O filme pode ser enxergado como uma crítica aos exageros do mundo fashion.

Bonequinha de Luxo

A história   é sobre o  amor entre uma garota de programa e um gigolô. Apesar de aparentar ser vulgar e piegas, o filme é  um sucesso no mundo  do cinema Cult. Seu diretor, Blake Edwards,  conseguiu transformá-lo em um filme requintado através da ótima fotografia, trilha sonora e figurino, que aliás é tudo composto pelo  estilista francês Hubert de Givenchy.

 Cinderela em Paris

 

O filme é de 1957, conta a história de uma vendedora de livros descoberta por um fotógrafo, interpretado por Fred Astaire, que decide transformá-la em uma modelo. A partir disso ele mostra como funciono  o mundo da moda. Sua atriz principal é a mesma de Bonequinha de Luxo, Audrey Hepburn.

Maria Antonieta

A história da princesa austríaca que, por conta de uma acordo entre países é enviada para se casar com o Príncipe Luís XVI e  de repente se vê no mundo luxuoso e superficial da corte de Versalles. O figurino do filme foi feito por grandes nomes como Karl Lagerfeld, John Galiano e Christian Dior e Milena Canonero.  Foi vencedor do Oscar de Melhor Figurino em 2007.

Para aqueles que querem  saber mais sobre moda no cinema acontecerá na mesma semana da São Paulo Fashion Week a 2ª edição da mostra Cinema Moda na Galeria Olido.  A mostra contará com 16 curadores, sendo eles estilistas, críticos de moda, colunistas e outros profissionais da moda e do cinema.   Para mais informações basta ficar atento ao site http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/ que em breve trará a programação completa do evento.

25
maio
10

Comer, rezar, amar

Por Yumi Miyake

“And since I am already down there in supplication on the floor, let me hold that position as I reach back in time three years earlier to the moment when this entire story began – a moment which also found me in this exact same posture: on my knees, on a floor, praying.” (“E já que estou em súplica no chão, me deixe permanecer nessa posição assim como há 3 anos atrás, no momento em que toda esta história começou – um momento que também me encontrei nessa mesma postura: de joelhos, no chão, rezando”.)

Considerado o livro que toda mulher deveria ler, “Comer, Rezar e Amar” é o best-seller de Elizabeth Gilbert, uma jornalista americana de 40 anos que acaba de se separar e resolve largar tudo (amores, emprego) e viajar pelo mundo (Itália, Índia e Indonésia) para entender seus questionamentos e buscar novas experiências. O livro é de 2006, mas somente ano passado fez sucesso no mundo todo e foi traduzido em 30 idiomas vendendo cerca de 7,5 milhões de cópias.

Depois do sucesso do livro, chegará em setembro o filme de mesmo nome, com Julia Roberts no papel de Elizabeth, Javier Bardem interpretará o namorado (brasileiro) da jornalista e as participações de Richard Jenkins (Queime depois de ler, Querido John – post de 11 de maio) e James Franco (o filho do doende verde em “o Homem Aranha”).

Ainda sendo produzido, o filme será dirigido por Ryan Murphy e segundo especulações, Brad Pitt é um dos produtores.

Veja o perfil e filmografia da atriz Julia Roberts no blog http://www.adorocinema.com/atores/julia-roberts/

confira o trailer!

24
maio
10

Allen não vem ao Brasil

Por Camila Bichuetti

O presidente da RioFilme, distribuidora e coprodutora estatal, Sérgio Sá Leitão, afirmou que o diretor Woody Allen iria gravar no Rio de Janeiro. Leitão disse ao site G1, que um longa-metragem seria dirigido na cidade maravilhosa em 2011.

Nos últimos anos Allen filmou em Londres (Macht Point – Ponto Final, Scoop e O Sonho de Cassandra), na Espanha (Vicky Cristina Barcelona), e em Nova York com o recente Tudo Pode Dar Certo que chega em novembroaos cinemas brasileiros.

Tudo começou quando os produtores Stephen Tenembaum e Letty Aronson do cineasta tiveram uma reunião com autoridades no Rio de Janeiro, em que foram sugeridos lugares para eles conhecerem no Rio. Isto apontava para um interesse na parceria, ainda mais depois da criação do projeto Rio Global, que tem por objetivo atrair produções cinematográficas estrangeiras para a cidade.

Porém, ao contrário do que foi divulgado, Woody Allen não filmará seu próximo filme no Rio de Janeiro. Quem afirmou isso foi Caroline Turner, assessora do diretor americano, durante o Festival de Cannes, ao site G1.  

Entretando, o empresário Cláudio Loureiro, que é o encarregado pela vinda do cineasta ao Brasil, disse que o projeto foi adiado para 2012.